quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Outono e Inverno, região ocidental do parque

Caros leitores, estou muito longe de postar com a frequência que desejaria, não por falta de assunto, esse daria para publicar um livro, mas por outros motivos, entre eles a falta de tempo. Não tenho cumprido com os objectivos a que me propús à data da criação deste espaço, ultimamente só me tenho limitado a anunciar eventos e a colocar algumas fotografias, podem estar descansados que o blogue não foi abandonado, nem será encerrado, a informação que aqui vou acrescentando tem franca utilidade e é uma forma de divulgar a região. Agradeço aos mais de 12500 visitantes que visitaram o blogue nestes quase 2 anos de existência.
Para compensar esta ausência, apresento-vos uma vasta colecção de fotos, da minha autoria, do extremo ocidental do PNM, a região de Lomba, com breves descrições. (Clique nas imagens se quiser vê-las no seu tamanho original)

O primeiro grupo de fotos foram tiradas no Outono, ao nível do planalto (700-800m), aqui o clima é mais frio e húmido predominando os soutos de castanheiros, carvalhos, lameiros e terras de cultivo:















As seguintes fotos foram tiradas neste Inverno, a maior parte delas em caminhadas ao longo da ribeira do Rio Mente (480m-700m), aqui o clima é mais quente e seco, predominando vegetação mediterrânea, não foram longe das primeiras, o que condiciona essas diferenças são a altitude e o solo.

Este é o lugar mais estreito do rio que se conhece, dá vontade de dar um salto para o outro lado, na verdade fica no alto de uns rochedos com mais de 10 metros de altura, em tempos houve aqui uma ponte em madeira, por onde passavam pessoas e animais, a ponte era estreita e sem guardas e talvez com alguns buracos, era dos poucos sítios do rio por onde se podia atravessar no Inverno e esta rota era importante para ter acesso a Espanha, ainda hoje se chama a este lugar "Ponte Velha".

























Serras de Espanha com alguma neve nos picos mais altos:




Este é um dos locais ao longo do rio onde a floresta climácica de Quercus ilex rotundifólia (azinheira, sardão, ou xardão como é designado pelos nativos) se encontra em melhor estado de preservação:























São bem visíveis, os socalcos na imagens seguintes, suportados por paredes. Devem existir quilómetros de paredes nestas encostas, onde eram outrora terrenos de cultivo e vinhas, hoje a vegetação tomou conta deles e quase passam despercebidos.




















Victor Alves




1 comentário:

M. A. disse...

Parabens pelo blogue e pela forma que arranjas te de divulgar esta maravilhosa região, são fotos magnificas de locais maravilhosos. É pena que nem todos os fihlos da terra a admirem e lhes deêm o seu devido valor.
Continua a postar sempre que possivel.