sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Património Natural - Tierras Fronterizas


PROJECTO PORTUGAL-ESPANHA COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA. INTERREG III A. FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

"O espaço de intervenção do Projecto é o do Parque Natural de Montesinho, com uma área aproximada de 75. 000 ha, nos concelhos de Vinhais e de Bragança em Portugal, e o do Espaço Natural da Serra da Culebra e do Parque Natural do Lago de Sanabria com cerca de 66. 000 ha e 22.500 ha, respectivamente.
Este espaço corresponde, em boa parte, ao sistema montanhoso que se estende pelos dois lados da fronteira, das serras de Coroa, Teixeira e Segundera (a poente), pelas serras de Montesinho e Atalaya e vale de Sanabria (ao centro), até aos contornos suaves e de reduzida altitude da serra da Culebra, diluindo-se para leste no vale do Esla, já na imensa planície da Meseta castelhana, que as vizinhas Terras do Tera, de Tábara, de Aliste e de Alba começam a anunciar.
Este sistema de serras encontra-se sulcado de oeste para leste pelo vale do rio Tera, coroado pelo lago glacial de Sanabria. A imensa bacia hidrográfica da barragem de Ricobayo, no rio Esla, e as duas de Cernadilla, Valparaíso e Nuestra Señora del Agavanzal, no Tera, transformaram os vales destes rios numa gigantesca reserva hídrica, enquadrada num meio por vezes escarpado e por vezes mais plano e menos agreste, mas sempre com uma elevada qualidade estética e ambiental. A Sul encontram-se os vales encaixados das nascentes dos rios Tuela e Sabor que marcam a transição para as terras já de menor altitude da parte portuguesa num majestoso cenário de cores e formas com a Serra da Nogueira no meio, a impor a continuidade da montanha nos limites das duas bacias."






"Da caracterização do espaço, da exposição da problemática e da descrição do Projecto depreendem-se os objectivos desta iniciativa que, por sua vez, coincidem com os definidos para o eixo 2 do PIC ao qual se acolhia: o ordenamento e a qualificação do espaço objecto e a memória da sua capacidade competitiva, a promoção e a integração territorial e o desenvolvimento dos espaços rurais à sua volta e o consequente aumento dos fluxos de investimentos, das relações económicas e do número de visitantes de ambos os países, no intuito último de atingir e induzir um desenvolvimento sustentável baseado no aproveitamento e preservação dos seus recursos naturais (aqui entendidos como valores paisagísticos, biológicos, agrícolas, patrimoniais e culturais) e da sua qualidade ambiental."

Sem comentários: