sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Barragem da Foz do Tua vai por fim a 120 anos de História da emblemática Linha do Tua

CONSULTA PÚBLICA
Programa Nacional de Barragens com Elevado Potencial Hidroeléctrico
LISBOA - 26 de Outubro de 2007, pelas 14.30 h
Auditório do Instituto da Água, I. P.
Av. Almirante Gago Coutinho, 30
Tel.: 21 843 00 00

Segue abaixo a hora e local de realização das sessões publicas sobre o Plano Nacional de Barragens, no qual se inclui a mega-barragem de Foz Tua, cuja construção submerge 120 anos de história e uma das obras mais emblemáticas da engenharia portuguesa, a Linha do Tua.
http://www.inag.pt/inag2004/port/diversos/temporario/seguranca/Seguranca.html

Lamentavelmente e como de costume, não está a ser feita qualquer divulgação nem discussão deste assunto. Para contrariar este silêncio dos responsáveis é importante divulgar e, se possível, estar presente nestes encontros.

Convido-vos a deixarem comentários/fotos no Livro de Visitas do site do Movimento Cívico pela Linha do Tua ou o vosso contacto para receberem informações actualizadas.

Qualquer material sobre a Linha do Tua, que julguem pertinente
apresentar no mesmo site, agradeço que nos contactem.

Cumprimentos,
Célia Quintas
Movimento Cívico pela Linha do Tua"

2 comentários:

autobahn disse...

O Grupo de Acção e Intervenção Ambiental (GAIA) e a Associação de Estudantes do Instituto Superior de Agronomia convidam a participar no debate

OGM: O debate em falta - Riscos e (in)certezas da engenharia genética na agricultura

30 de Outubro, 14h00 – Sala de Actos do Instituto Superior de Agronomia | ENTRADA LIVRE

As posições dos vários actores no debate dos organismos transgénicos estão divididas. Enquanto que uma parte está seriamente convicta de que a aplicação da engenharia genética na agricultura é o caminho a seguir na agricultura global, a outra parte acredita que a utilização de OGM* é semelhante à abertura da caixa de Pandora, contendo toda uma série de riscos e ameaças para o ambiente, saúde humana e sociedade em geral. Muitas questões pairam no ar: De que riscos se tratam? O que sabemos destes? E o que não sabemos?

Apesar de estas questões serem por si só suficientemente difíceis de responder, outra série de questões apresenta-se como fulcral: Quem são exactamente os actores no debate? E, por outro lado, como decidimos como cidadãos se consideramos os riscos aceitáveis em comparação com os benefícios que se proclamam?

Há muito em jogo. De todas as formas, o debate está aberto.

MAIS INFO: http://gaia.org.pt/node/2563

Anónimo disse...

Os 120 anos de História da emblemática Linha do Tua e de toda uma região,não interessa aos senhores GOVERNANTES. O que interessa, é aceitarem a(imposição) do fortíssimo lobby das eólicas.